Grupo participou com as empresas Agrimec e Intecsol.
Ambas tiveram visibilidade no evento.

Mesmo que com menos força, as cotações do arroz em casca no Rio Grande do Sul mantiveram sua trajetória de alta, acumulando 2,42% de valorização até o dia 28 de maio, segundo o indicador de preços do arrozem casca Esalq/Bolsa Brasileira de Mercadorias-BM&F-Bovespa. Foi com essa notícia que a Fenarroz, conhecida como o segundo maior evento orizícola do mundo e maior do Mercosul, na sua 17ª edição, encerrou.

Vale destacar que, no Rio Grande do Sul, o Irga deu a colheita por encerrada, divulgando uma safra de 7,7 milhões de toneladas de arroz, 14% menor do que no ciclo passado. Apesar da redução, esta é uma das quatro maiores safras da história da lavoura gaúcha.

A produtividade caiu 2% e a área 12% no Rio Grande do Sul. No momento, a retração nas vendas de arroz também é bancada pela comercialização da soja, cultivada em várzea, cuja área vem aumentando como alternativa às lavouras arrozeiras gaúchas. A tecnologia de cultivo em microcamalhão é o diferencial, bem como as variedades mais tolerantes ao encharcamento.

A expectativa é de que a área de soja em várzea aumente entre 10% e 15% na próxima safra, em razão dos bons resultados alcançados neste período.

Sobre a feira – Importante pelos negócios que possibilita e pelas atrações turísticas que oferece, a Feira Nacional do Arroz (Fenarroz) é o evento mais tradicional do município de Cachoeira do Sul e um dos mais relevantes do Rio Grande do Sul. E a Agrimec esteve presente, ocupando os estandes 55 e 56.

As atrações foram a Plaina Robust 440; as Valetadeiras 60L e 40L; a BCI 250 e 500; o Rolo Faca Arrozeiro; a Scraper CRS5; o Distribuidor Centrífugo ID-1200 e o ID-600; além da Granbox 30.000 e da Taipadeira TA10.

Focada na produção de tecnologia para o emprego de energia solar em aquecedores de água para domicílios, condomínios e empresas, a Intecsol, também marcou presença mostrando um pouco do conceito que equilibra energia, economia e sustentabilidade. A linha solar e elétrica foram os destaques nesse sentido.

Segundo a executiva da Feira, a comercialização de máquinas, implementos e equipamentos para a lavoura e indústria orizícola ultrapassou a barreira dos R$ 200 milhões, que era a meta inicial estipulada pela Comissão neste ano. Conforme o presidente, Luis Alberto Silva, fatores como preço do arroz e boas perspectivas para o futuro da agricultura no sul da América Latina, facilitaram os negócios e permitiram um volume considerável de contratos e aquisições no Parque da Fenarroz.

Houve venda recorde de valor para um produtor apenas, que atua em Cachoeira do Sul, a Capital Nacional do Arroz, e também a comercialização, pela primeira vez na história, de aviões agrícolas durante o evento. Teve marca de implementos que chegou a comercializar perto de 30 tratores e mais colheitadeiras. “Praticamente todos os expositores estão satisfeitos e isso comprova o sucesso de mais uma edição da Fenarroz”, afirmou Luis Silva ao Portal do evento.

Confira alguns registros da participação do Grupo no evento, que ocorreu de 22 a27 de maio últimos.

    Assessoria de Imprensa Grupo AGRIMEC
    Liana Merladete / Dois Agência de Conteúdo
    imprensa@agrimec.com.br

    Siga-nos no Twitter ou curta nossa página no Facebook

    .