As últimas semanas apresentaram tempo seco e altas temperaturas no Estado e nem mesmo as precipitações dispersas que amenizaram o forte calor foram suficientes para recompor a umidade no solo. Segundo a Emater, esse cenário, aliado à perspectiva de um verão com chuvas abaixo da média, tem preocupado os produtores.

Caso se confirme o prognóstico de pouca chuva, neste momento em que importantes culturas, como milho e soja, se encontram em fases de floração e formação de grãos, a probabilidade de uma redução na produtividade das culturas aumenta de maneira significativa.

A soja já está com o crescimento comprometido devido ao problema, mas o controle de ervas invasoras realizado antes do período de estiagem foi considerado satisfatório.

As lavouras de milho, em plena formação de espiga e enchimento de grãos, apresentam leve redução de tamanho devido a mesma adversidade.

Segundo a Emater, o feijão da primeira safra é o menos afetado pela falta de umidade neste momento. A cultura se encaminha para o final do ciclo, com a colheita acelerada devido ao clima. Já foi colhida 25% da área plantada. Outros 15% já estão maduros e 35% estão em fase final de formação de grão.

 

Fonte: Agrolink