Produtores rurais, entidades do setor e comerciantes de máquinas e implementos agrícolas estão preocupados com o Plano Safra 2019/2020.

Faltando menos de um mês para o anúncio oficial referente aos recursos do programa, previsto para acontecer em 12 de junho, o Governo ainda aguarda aprovação de um projeto que libera verbas para a subvenção do Crédito Rural.

E a preocupação não é atoa. No último dia 22, faltando cerca de um mês para o término da safra 2018/2019 de grãos, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) suspendeu o financiamento de seis linhas de créditos, incluindo o Pronaf e o Moderfrota.

O motivo foi o esgotamento dos recursos, devido a grande demanda da temporada, com término em 30 de junho. Em abril deste ano, o BNDES já havia liberado crédito suplementar para essas linhas de financiamento.

A demanda, porém, continuou e os programas foram novamente suspensos.

Os olhares ainda permanecem voltados para o Congresso e é importante que estejamos atentos aos seguintes itens até o surgimento de novas novidades.

O primeiro deles é que existe a possibilidade do anúncio oficial ser adiado.

Isso porque, como já citamos, o Governo Federal, mais especificamente o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), estão aguardando a liberação de crédito suplementar, através do PLN 4/2019 que circula no Congresso Nacional.

A autorização solicitada é de 10 bilhões de reais para auxiliar o Crédito Rural.

Em entrevista, a ministra Tereza Cristina disse acreditar que o projeto seja votado ainda nesta semana.

Miguel Daoud, comentarista do Canal Rural, aconselha os produtores a criarem sua independência e ‘‘mecanismos de comercialização para mudar a forma que você estava fazendo sua safra’’ e também que revejam custos.

Na visão de Daoud, as expectativas são de agravamento da situação devido aos rombos nas contas públicas de governos passados.

Para a atual ministra do MAPA, os recursos oficiais disponibilizados atualmente cobrem apenas um terço da agricultura, visto a forma como a agricultura nacional cresceu nos últimos anos.

Ainda em relação às linhas de crédito, Eduardo Sampaio Marques, secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, disse haver uma quantidade de recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para financiar os programas de investimento com juros equalizados.

As duas grandes novidades ficam a favor dos aquicultores e pescadores e também dos pequenos e médios produtores.

A partir dessa nova temporada, a aquicultura e a pesca também serão inclusas nos recursos, permitindo a compra de barcos e equipamentos mais modernos, por exemplo.

O Ministério da Agricultura disse, por fim, que existe um grande esforço para aumentar o volume de recursos para pequenos e médios produtores. A intenção também é manter as atuais taxas de juros pelo menos para essas duas categorias.

 

Fonte: Canal Rural