Os benefícios das mudas pré brotadas para o cultivo de Cana

Você sabe o que é ou conhece as mudas pré-brotadas para o cultivo da Cana-de-Açúcar?

Popularmente conhecidas por MPB, as mudas pré-botadas foram desenvolvidas no Programa Cana do Instituto Agronômico (IAC) da cidade de Campinas, SP, no ano de 2009.

Presente no maior estado produtor do país, o IAC se propôs a desenvolver uma tecnologia capaz de mudar a forma de plantar Cana-de-Açúcar e revolucionar todas as fases já existentes deste processo, permitindo a rápida multiplicação dos viveiros, com qualidade e uniformidade.

Todos os anos, uma boa parte dos canaviais precisa ser replantada porque, após cinco safras, a produção tende a diminuir e é hora de fazer o que chamamos de reforma ou replantio do canavial.

Este processo, por vezes, gera prejuízos nos canaviais, como a redução da taxa de brotação, causada pelo excesso de peso dos maquinários sobre a terra.

Menos cana brotando cria a necessidade de mais mudas por hectare serem plantadas. O resultado é mais trabalho e, consequentemente, mais custos.

Este cenário abriu espaços para o surgimento de uma forma inédita de replantar os canaviais, cujos objetivos principais são a redução do número de mudas a serem usadas e o aumento da eficiência e dos ganhos econômicos gerados.

As mudas pré-brotadas de Cana-de-Açúcar surgem como uma alternativa para a resolução destes e de outros problemas através da multiplicação de mudas que contribuem para uma produção rápida de plantas saudáveis.

Para um melhor entendimento, vamos explicar como este processo ocorre, expondo as etapas pelas quais as MPB passam até chegarem ao solo, bem como as diferenças dessa tecnologia para o modo tradicional de replantar cana.

A primeira diferença se encontra logo na primeira tarefa do processo: os colmos, antes usados como sementes, dão lugar a mudas pré-brotadas produzidas através do corte da cana, também chamado de mini rebolos.

Os mini rebolos hospedam as gemas. É fundamental que elas estejam saudáveis, pois são quem determinam quais minis rebolos serão escolhidos, em uma seleção visual que se configura como a próxima etapa.

Na sequência, recebem um banho térmico e outro de fungicidas para, então, poderem ir para as caixas de brotação com substrato próprio para a produção das mudas.

Durante os 12 dias que ficam nas estufas as gemas ficam expostas a temperaturas e umidades controladas. Após, são individualizadas, cada uma ocupando um tubete próprio.

Agora, elas já estão aptas para passarem pela primeira etapa do processo de aclimatação, que dura em torno de 15 dias. Nesses 15 dias elas retornam às estufas para as raízes se desenvolverem e recebem quatro irrigações por dia de dois milímetros cada.

Na segunda etapa as mudas, já desenvolvidas, são conduzidas até as condições climáticas nas quais serão cultivadas. Aqui, as irrigações são reduzidas e totalizam quatro de um milímetro por dia.

É interessante notar que o sistema de aclimatação é bastante responsável por um dos benefícios primordiais do cultivo com MPB: a uniformidade com que elas se desenvolvem ao serem tratadas com volumes de água e temperaturas exatos em relação ao que necessitam.

O contato com o ambiente em que as mudas farão parte também contribui para esta uniformidade e indicam a qualidade da planta.

Depois de 60 dias, as MPB completam o seu ciclo e já podem ser retiradas de seus tubetes para serem plantadas com implementos conhecidos como as transplantadoras de mudas de cana, adaptadas de outros cultivos.

Além da uniformidade com que se desenvolvem – o que por si só já representa um grande diferencial – as mudas pré-brotadas, em relação ao cultivo tradicional, são grandes aliadas em termos econômicos.

Pesquisador responsável pelo estudo das MPB, Mauro Alexandre Xavier, do Programa Cana, do IAC, é quem desvenda a descoberta: convencionalmente, precisava-se de 18 a 20 toneladas de Cana para a plantação de um hectare.

Com as mudas pré-brotadas são necessárias apenas duas toneladas. São cerca de 18 toneladas a menos que podem ser destinadas para a produção de álcool e açúcar, por exemplo, gerando ganhos e aumentando a eficiência do canavial.

Um processo simples e viável. A produção de Cana-de-Açúcar com mudas pré-brotadas representa uma mudança de conceito e não se restringe às indústrias. Qualquer micro ou médio produtor consegue reunir os materiais necessários e migrar para esta inovadora forma de produzir Cana.

E os benefícios não param por aí. As mudas pré-brotadas desenvolvem-se com material genético puro, ou seja, mais sadias e com menores chances de pragas se desenvolverem no canavial.

Plantas livres de doenças garantem uma taxa de multiplicação muito maior e um considerável ganho de produtividade, metas a serem alcançadas por qualquer pessoa que atue na produção canavieira.

O uso de mudas pré-brotadas representa uma importante e revolucionária transformação para o setor de Cana-de-Açúcar, pois reúne em um só método todos os benefícios capazes de potencializar positivamente a produção canavieira.

Cabe a todos os interessados neste produto, que é economicamente tão importante, aprofundar-se no assunto e desenvolver uma cultura que seja cada vez mais vantajosa, tanto para o meio em que se encontra como para o produtor que a desenvolve.

 

Fonte: TV Cana Oeste, novacana.com e IAC

Quer receber nossos conteúdos por email? Cadastre-se abaixo:

Enviar Por favor, preencha o campo nome. Por favor, preencha o campo email. Email, inválido tente novamente.

-->

Deixe um comentário

Seu email está mantido privado. Campos obrigatórios estão marcados com *

*
*

Você pode usar tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>