China, Colômbia e México são os mercados que a indústria brasileira do arroz projeta como potenciais países para a exportação. Em solenidade realizada na quinta-feira, 26, foi feita a assinatura da renovação do convênio entre a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e a Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz).

No evento que contou com a presença de líderes da área, Roberto de Mattos, presidente da Apex-Brasil, salientou a importância das exportações para o desenvolvimento econômico do setor.

Já o presidente da Abiarroz, Elton Doeler, lembrou que o objetivo é tornar o Brasil um player reconhecido pela sua qualidade, capacidade produtiva e segurança alimentar.

Os mercados considerados prioritários para abertura comercial e sanitária são Peru, EUA, Arábia Saudita, Panamá, Reino Unido, China, Colômbia e México.

O mercado peruano é considerado como importante polo de manutenção de negócios devido ao consumo per capita dos peruanos que situa-se entre 55 e 60 kg/ano, praticamente o dobro do brasileiro.

O maior estado produtor do cereal do país, o Rio Grande do Sul, teve seus trabalhos intensificados e a colheita já encaminha-se para a reta final, com 80% da área colhida.

Com a saca de 50kg sendo paga a um preço médio de R$ 34,57, o aumento das exportações pode vir a ser uma alternativa para a manutenção dos preços.

Fontes: Jornal do Comércio e Canal Rural