De acordo com o órgão, a época de tempo seco é propícia para o uso de defensivos

O índice de ferrugem nas lavouras de soja brasileiras registrado no final de 2011 é o menor desde 2004 para o período. Conforme a Embrapa, a doença chegou a ter mais de dois mil casos em uma mesma safra e, neste ano, contabiliza 15, sendo 10 no Estado do Paraná. A entidade acompanha o avanço do fungo há sete anos, em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Segundo o agrônomo da Embrapa Soja Rafael Soares, a equipe permanece atenta ao surgimento da praga, que apresenta esporos nas lavouras.

– O produtor tem de ficar alerta. No ponto em que encontramos, já se faz necessário aplicar defensivos – explica.

A doença se manifesta em períodos de umidade alta e temperaturas amenas. Portanto, de acordo com o especialista, o tempo seco e os tratos culturais têm contribuído para manter a soja livre dela. O produtor rural Onivaldo Dante relata que já realiza a prevenção.

– Com tempo mais seco, ela não espalha. Já usei defensivo e não vou esperar pela doença. Já tenho histórico de perdas por fazer isso – afirma.

Fonte: Canal Rural

.