As ofertas do feijão carioca caíram ao final deste ano na medida em que o interesse dos compradores também diminuiu. Além da retração por parte do mercado, também há dificuldade em encontrar transporte disponível para levar a mercadoria de um lugar a outro. Muitas empresas empacotadoras devem voltar a comprar apenas no dia 8 de janeiro.

Com os preços da saca girando em torno de R$80 no Paraná e R$110 em São Paulo, a segunda semana de janeiro pode trazer um respiro diferente para o mercado, mas ele não deve ser constante e nem suficiente para manter os preços em alta. Segundo Marcelo Lüders, presidente do Instituto Brasileiro do Feijão (IBRAFE), não está descartada a possibilidade de os preços caírem abaixo do mínimo.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) já está ciente da situação e começa a se mobilizar para possível apoio à comercialização. Enquanto isso, em Goiás, a Assembleia Legislativa do estado tenta votar um projeto de lei para que sejam modificados os benefícios fiscais que recebem o feijão e outros produtos, resultando na volta da cobrança do ICMS, o que deve prejudicar o mercado como um todo.

 

Fonte: Canal Rural