A terça-feira foi de expressivas altas no mercado internacional da soja. Os futuros da oleaginosa negociados na Bolsa de Chicago fecharam o dia com mais de 20 pontos de alta nos contratos mais próximos. O trigo e o milho também encerraram o dia no azul, porém, os ganhos foram mais modestos.

O clima adverso na América do Sul voltou a ser o principal fator de alta para os preços. A forte estiagem que castiga as produções de soja e de milho no Sul do Brasil e também na Argentina deve se estender por mais algumas semanas e permitiu que hoje os preços recuperassem parte das perdas da última semana. Porém, os prejuízos não foram completamente contabilizados e ainda não é possível mensurar o tamanho da quebra na safra sulamericana, mas os estragos são grandes. 

Porém, a continuidade da seca não foi o único fator que impulsionou as altas na CBOT. Um mercado financeiro mais positivo diante da boa notícia vinda da China sobre o crescimento de seu PIB também estimulou as cotações. 

Os traders focaram, novamente, seus investimentos em ativos de risco como as commodities agrícolas e atuaram como catalisadores do avanço. 

“Eu estou vendo o mercado influenciado mais pela entrada dos fundos de investimentos. A notícia da China foi muito importante, trouxe um  ânimo ao mercado. A gente vê todas as bolsas de valores na Europa subindo acima de 1% e nos Estados Unidos também”, comenta o analista de mercado da Cerealpar, Steve Cachia.

Cachia acredita ainda que o mercado possa se manter sustentado nos próximos meses por conta desse clima adverso na América do Sul além da preocupação com os baixos estoques norte-americanos tanto de soja quanto de milho.  

Fonte: Notícias Agrícolas.

.