Luiz Silva é eleito presidente da Fenarroz. Comissão de honra também revisará o estatuto. Sugestões são aceitas até o final do mês

A comissão de honra da Fenarroz aprovou no dia 31 de maio, a proposta do presidente do grupo, o prefeito Sérgio Ghignatti, de reativar o conselho fiscal da feira. Serão três titulares e três suplentes com a missão de elaborar balanços e emitir pareceres das contas da Fenarroz, documentos que deverão estar concluídos, no máximo, seis meses após cada edição do evento. Os conselheiros serão integrantes da comissão de honra. “Isto vai dar mais transparência ao trabalho da executiva da feira”, entende o prefeito.

Aproveitando o debate sobre a reativação do conselho fiscal, a comissão de honra decidiu revisar todo o estatuto da Fenarroz. As sugestões serão aceitas de hoje até o final deste mês. O advogado Armando Fialho Fagundes (ex-presidente da Fenarroz) e o promotor de Justiça João Ricardo Tavares (representante do Ministério Público na comissão de honra) são os responsáveis por receber e compilar as propostas. A próxima reunião da comissão de honra ficou agendada para 1º de julho, quando serão discutidas as ideias apresentadas para a reformulação do estatuto. Também neste encontro deverão ser escolhidos os integrantes do conselho fiscal.

DÍVIDA – A reunião da comissão de honra ocorrida ontem foi para a eleição do novo presidente da Fenarroz, mas outros temas acabaram ganhando destaque durante a apresentação das contas da feira. O encontro foi a portas fechadas e a única informação do presidente eleito em chapa única e por aclamação, o empresário Luís Alberto Silva, 59 anos, é de que a feira deve em torno de R$ 400 mil. “Não tem ninguém cobrando a Fenarroz. A maioria de nossos credores são integrantes da executiva há anos”, afirma. Ele decidiu adotar a mesma postura do presidente que se despediu do cargo, Érico Razzera, de não abrir para a comunidade a contabilidade da feira.

Fonte: Planeta Arroz

.