A estimativa da Companhia  Nacional de Abastecimento (Conab) de produção de grãos no Brasil em 2021/22 é de 284,4 milhões de toneladas. O relatório foi divulgado na última terça-feira (11) e prevê, portanto, crescimento de 12,5% em relação à safra 2020/21, o equivalente a 32 milhões de toneladas.

A projeção era mais otimista, porém, com a estiagem no Sul do país, diminui. Anteriormente, era de 291,1 milhões de toneladas. Segundo a Conab, condições climáticas desfavoráveis no Sul do país prejudicaram as estimativas de produção da primeira safra de milho e da soja, com registro de um dezembro seco no Rio Grande do Sul, por exemplo. 

Segundo o levantamento, as culturas:

Soja: incremento de 3,8% na área plantada e estimativa de produção de 140,5 milhões de toneladas, o que representa redução de 2,3 milhões de toneladas em relação à previsão anterior.

Milho: a produção para a primeira safra está estimada em 24,8 milhões de toneladas. A previsão para a produção total, incluindo a segunda e a terceira safras, é 112,9 milhões de toneladas. 29,7% mais que no ciclo passado, quando a principal safra (de inverno) foi castigada pela seca.

Trigo: a safra já foi encerrada com colheita de 7,7 milhões de toneladas. Resultado superior ao da safra anterior, apesar do registro de estiagem e geadas que prejudicaram a produção.

Algodão: aumento de 1,5 milhão na área plantada e produção de pluma de 2,7 milhões de toneladas. Isso, portanto, representa 14,8% mais que na temporada passada e 3,7% mais que o previsto no mês passado.

Arroz: apesar da produção ser concentrada no Rio Grande do Sul, a Conab continua a estimar uma produção de 11,4 milhões de toneladas, porque a maior parte das lavouras é garantida com irrigação. Essa estimativa, então, representa uma queda de 3,2% ante 2020/21.

Feijão: a expectativa é de avanço de 7,2%, para 3,08 milhões de toneladas.

Fontes: Conab e Agência Brasil