País deve exportar na safra 2011/2012 38 milhões de toneladas, superando os EUA

O Brasil deverá superar na atual temporada os Estados Unidos como maior exportador de soja do mundo, uma situação que não deve se repetir na próxima safra, mas que antecipa previsões de que os agricultores brasileiros terão dominância no mercado global da oleaginosa em mais alguns anos.

Em 2011/2012, o Brasil exportará 38 milhões de toneladas de soja, contra 36,06 milhões de toneladas dos EUA, que historicamente têm sido os principais exportadores mundial, previu ontem o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA). Até o mês passado, o USDA projetava exportações do Brasil na temporada de 36,5 milhões de toneladas, contra 37,42 milhões dos EUA.

Ontem, porém, o órgão elevou a estimativa de safra de soja do Brasil para 75 milhões de toneladas, enquanto reduziu a previsão para os EUA, por conta de problemas climáticos.

“Isso ocorre porque eles tiveram problemas, a produção de soja deles (EUA) está comprometida em relação à estimativa inicial”, explicou a gerente de Agroenergia da consultoria Informa Economics FNP, Jacqueline Bierhals.

Os EUA são os maiores produtores de soja do mundo, com safra estimada em 2011/2012 em 82,9 milhões de toneladas, contra 90,6 milhões de toneladas na temporada anterior, segundo o USDA. “Para não afetar o consumo interno (dos EUA), o abastecimento para a indústria de rações, eles cortam as exportações”, acrescentou Jacqueline. Na safra passada, o Brasil exportou 29,9 milhões de toneladas, segundo o USDA, enquanto os americanos exportaram 40,8 milhões de toneladas de soja.

Plantio. A previsão do USDA para as exportações do Brasil pode ser mudada, uma vez que o País está ainda em fase de plantio da safra 2011/2012 e os EUA estão na etapa final de colheita, ponderou o órgão do governo dos EUA, lembrando que a grande colheita estimada para o Brasil ainda dependerá de condições climáticas até o início do próximo ano.

“Entretanto, grandes ofertas da América do Sul e precificação favorável para a Ásia e outros mercados elevaram o Brasil para um patamar mais alto em relação aos EUA este ano”, informou o USDA.

Outro fator que colabora para o Brasil avançar nas exportações globais de soja é o câmbio, lembrou a analista da Informa, considerando que o dólar tem se fortalecido no mundo, deixando o grão americano menos competitivo. “Com a valorização do dólar, a nossa soja acaba ficando mais competitiva. (Compradores) vêm pegar aqui mesmo em época de safra lá. O Brasil ganhou competitividade nesse mercado”, destacou ela.

O Brasil superou os EUA como maior exportador de soja do mundo somente uma vez, na temporada 2005/06, quando as exportações dos EUA ficaram em torno de 25,5 milhões de toneladas, enquanto os brasileiros exportaram cerca de 26 milhões de toneladas.

Fonte: O Estado de S.Paulo

.