Conforme Departamento de Agricultura dos EUA, país deverá embarcar 59,2 milhões de toneladas na safra 2021/2022

O Brasil se consolidará como maior exportador mundial de sojana próxima década, posição alcançada na atual safra, quando o país deverá vender 38 milhões de toneladas, ante 36,1 milhões de toneladas dos Estados Unidos. A estimativa é do Departamento de Agricultura norte-americano (USDA), divulgada nesta segunda, dia 13, em seu relatório anual de perspectivas de longo prazo, o “USDA Baseline Trade Projections”.

De acordo com o USDA, na safra 2012/2013, o Brasil deverá exportar 41,3 milhões de toneladas da oleaginosa, ante 38,9 milhões de toneladas dos EUA. Em 2021/2022, as vendas brasileiras deverão alcançar 59,2 milhões de toneladas, ante 43,4 milhões de toneladas das exportações norte-americanas. Juntos, ambos os países serão responsáveis por 75% das exportações mundiais do grão em 2021/2022, estimadas em 137,4 milhões de toneladas.

Quanto à Argentina, terceiro maior exportador mundial, as vendas para o mercado internacional deverão crescer de 10,8 milhões de toneladas em 2011/2012 para 12,2 milhões de toneladas em 2012/2013 e para 16,9 milhões de toneladas em 2021/2022.

As estimativas foram organizadas em novembro de 2011. No caso da projeção para a próxima safra (2012/2013), o volume pode diferir dos que serão estimados nos relatórios mensais que serão divulgados ao longo deste ano. As projeções de longo prazo servem como referência de orçamento e formulação de políticas para o governo norte-americano. 

Fonte: Agência Brasil

.