Entre os dias 20 e 22 de março, a cidade de Rio Pardo, no RS, sedia a 18ª edição da Expoagro Afubra. Anualmente, é planejada uma programação técnica para atender às necessidades dos produtores rurais e mostrar as novidades do setor agropecuário.

No segundo dia do evento, a cultura do arroz ganhou destaque. O Dia do Arroz, evento tradicionalmente destacado na programação, reuniu produtores em busca de mais informações sobre as tecnologias propagadas pelo Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga).

Um roteiro foi montado pelos técnicos para apresentar os dois principais projetos de transferência de tecnologia do instituto: o Soja 6000 e o Projeto 10+.

O primeiro visa estabilizar as plataformas de cultivo da oleaginosa em rotação com o arroz nas terras baixas e o segundo, através do ajuste e qualificação das operações de manejo, propõe uma produtividade média superior a 10 mil quilos por hectare nas lavouras de ponta e avançar em uma tonelada a média do estado, para 8,5 mil toneladas por hectare.

Tanto técnicos como produtores e engenheiros entendem que a tecnologia disponível e o volume de informações geradas pelas pesquisas oportunizam ao rizicultor mudanças também no perfil da lavoura.

Plantar na época certa, adubar no seco em proporcionalidade ao volume que espera atingir, irrigar e realizar as operações de manejo também na época indicada são mandamentos práticos e obrigatórios, resumiu o engenheiro agrônomo Jerson Luiz Pinto dos Santos, de Cachoeira do Sul.

 

Fonte: GAZ